Animais · Vegetarianismo/Veganismo

Introdução aos direitos animais – o que é veganismo #SegundaSemCarne

O que significa ter um direito? Significa possuir um estatuto moral, ou seja, reconhece que você não é um objeto ou propriedade de outrem. Ter um direito também resulta em obrigações que devemos ter com quem tem esse direito, ou seja, se você tem direito à vida, é um dever de todos respeitá-lo. Indo mais profundamente, ter esse estatuto significa que há interesses individuais e que cada um será reconhecido como um fim em si mesmo, existindo para seus próprios propósitos, e não de terceiros.

Se você tem um direito, isso quer dizer que você faz parte de uma comunidade moral e que possui uma barreira em volta de si, a fim de garantir seus direitos reservados. Mas até agora estamos falando de animais humanos, e tudo isso vale, por enquanto, apenas para a nossa espécie, e como consequência, todas as outras espécies – exceto uma ou duas que decidimos proteger – ficam de fora da comunidade moral.

direitos animais 1

No contexto cultural vigente, os animais estão na mesma categoria das coisas ou objetos, ou seja, como estão fora da barreira de proteção, podem ser usados como fins de terceiros.

Por conta de fatores religiosos, culturais e históricos, os animais não-humanos foram considerados como parte daquilo que encontramos na natureza e conseguimos transformar em ferramentas para o nosso uso. Travestido de um discurso pseudointelectual, homens da filosofia e da ciência aprovaram este tipo de pensamento absurdo – de que os animais, seres que pensam e sentem, seriam como uma caneta ou um smartphone. E qual seria a origem disso? Argumenta-se que nós, humanos, a “pérola da criação”, temos direitos porque somos os únicos seres racionais, com consciência, linguagem, cultura, inteligência ou senciência. (…)

“O banco de dados sobre senciência animal é robusto, e cresce rapidamente. Cientistas sabem que indivíduos de uma ampla variedade de espécies sentem emoções variando de alegria e felicidade, a luto e stress pós traumático, passando por empatia, ciúmes e ressentimento, e a ciência vem mostrando o quão fascinantes são essas experiências (por exemplo, camundongos, ratos e galinhas demonstram empatia), e inúmeras outras ‘surpresas’ estão emergindo rapidamente.”

Resposta ao “Eu, Ciência”

Com o crescente corpo de evidências, devemos então, conceder o direito dos animais de não serem propriedade de outra pessoa, como um escravo o é. Um direito simples de ser entendido: se uma vaca não é propriedade dos humanos, então deve viver sua vida para seus próprios fins, não virando churrasco ou tendo seu leite retirado para outra espécie. Se um chimpanzé possui direito à vida e liberdade, nós temos o dever de não usá-los em experiências científicas… e assim por diante.

Visto que os animais podem sentir – senciência – a consequência inevitável é libertá-los de qualquer tipo de uso humano, independentemente da “justificativa”. Aqui também não interessa onde a violação do direito à vida ocorre, se é em ambiente natural ou em uma fazenda industrial. Resultado: aceitar esses direitos implica em ser vegan, pois não é possível respeitar os direitos animais fazendo de um porco um bacon, ou de um peixe, um sushi. É simplesmente impossível em termos lógicos.

Em suma, podemos concluir que o veganismo é uma consequência direta do reconhecimento dos direitos animais. É um movimento que não luta apenas pelo fim da crueldade animal, mas pelo fim do uso animal sob todas as formas. Então, sim, é um movimento radical, pois vai à raiz do problema. A raiz de continuarmos confinando, explorando e matando animais, reside no fato de ainda os considerarmos como produtos, e enquanto isso não for modificado, a violência continuará.

Ser vegano não é achar os animais “fofinhos” ou ser “paz e amor”, é ser justo com eles. É uma obrigação moral que temos para com os animais. Um compromisso ético mínimo que precisamos fazer, mesmo que todas as forças do mundo tentem nos puxar para o lado contrário.

Fonte: Introdução aos direitos animais – o que é veganismo?

Anúncios

3 comentários em “Introdução aos direitos animais – o que é veganismo #SegundaSemCarne

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s